sábado, março 24, 2007

"Atirei o pau ao gato"

Imagem do blog abrupto
Embora esteja distante de ter alguma espécie de prazer em fazer mal ou em incomodar animais, também não me situo no extremo que coincide com a incapacidade de distinguir um animal de uma pessoa. Sempre vivi e convivi alegremente com animais. Excluindo a parte em que os como, posso talvez afirmar que, com excepção para os gatos, duma maneira geral, os animais inspiram-me ternura. Claro que a ternura levada ao extremo conduz a exageros, como aqueles que pratico com sargos e robalos. Porém, venho aqui confessar-vos, desde que conheci esta pianista, tenho tentado apagar o registo que uma "inocente" canção deve ter deixado fortemente calcado num neurónio de base. Na verdade, o "atirei o pau ao gato" e o upgrade que um siamês lhe fez, deixaram-me com os gatos de fora do rol dos afectos, mas confesso: A pianista pôs-me KO!


a pianista

1 comentário:

Arte por um Canudo 2 disse...

Mesmo assim e com o neurónio bastante machucado de tanto cantar a canção, o gato é um animal que gosto e aprecio. Por isso todo gato abandonado vem ter ao meu quintal. Elas sabem que eu não lhes faço mal..Bom fim de semana.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Contador

Este blog possui atualmente:
Comentários em Artigos!
Widget UsuárioCompulsivo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...